No Peru, classe política sofre rejeição recorde após impeachment e pandemia

O impeachment de Martín Vizcarra, em novembro, não melhorou os ânimos políticos no Peru. Pelo contrário: o novo governo de Francisco Sagasti enfrenta uma rejeição de 47%, 12 pontos percentuais a mais que o registrado em dezembro, seu primeiro mês de gestão.

A percepção sobre o Congresso presidido por Mirtha Vásquez é ainda pior: a reprovação chega a 73%. Os índices são forte indicativo do descontentamento da população com o sistema local a pouco mais de três meses antes das eleições presidencias e legislativas, no dia 11 de abril.

Analistas afirmam que a incerteza provocada pela segunda onda da Covid-19 no país e a consequente crise econômica minam as expectativas da população. Em 2020, o país já chegou a registrar o maior número de mortes per capita do mundo pelo novo coronavírus.

Fonte: A Referência Internacional

Deixe uma resposta