- Publicidade -
16.8 C
Brasília

Acúmulo de vacinas em países ricos acabará em prejuízo global, diz estudo

A acúmulo de vacinas nos países ricos deve aprofundar os danos econômicos deixados pela pandemia no mundo todo. O alerta é de uma pesquisa publicada pelo Centro Nacional de Pesquisa Econômica, que reúne estudos de centros de ponta nos EUA.

O texto está embargado até segunda (1), adiantou o jornal ” The New YorK Times”. Conforme os especialistas, ao monopolizar o fornecimento de vacinas contra a Covid-19, as nações desenvolvidas poderão ser tão atingidas quanto os países mais pobres.

A ameaça supera uma catástrofe humanitária, segundo os pesquisadores. A perda poderá ser superior a US$ 9 trilhões – soma maior que toda a produção anual do Japão e da Alemanha, juntos. Países como os EUA e Reino Unido absorveriam quase metade desses custos.

A Câmara do Comércio Internacional encomendou o estudo. Segundo os especialistas, todas as nações devem ter interesse na distribuição equitação de vacinas – especialmente dos países com maior dependência do comércio.

Os resultados contrapõem o senso comum de que compartilhar vacinas com os países pobres seria apenas um “ato de caridade”. “Claramente, todas as economias estão conectadas”, disse a economista Selva Demiralp, uma das autoras do estudo.

“Nenhuma economia será totalmente recuperada a menos que as outras economias também estejam”, enfatizou ela. O cenário classificado pelos pesquisadores como o “mais provável” considera que metade da população global estará imunizada até o final do ano.

Ainda assim, as perdas econômicas, sem o acúmulo total das vacinas pelas nações ricas, seriam de entre US$ 1,8 trilhão e US$ 3,8 trilhões – mais da metade desse montante concentrado em países ricos.

Covax longe da meta

Até agora, a iniciativa Covax, gerenciada pela OMS (Organização Mundial da Saúde) para levar a vacina aos países mais pobres, garantiu cerca de US$ 11 bilhões em recursos. A meta é alcançar US$ 38 bilhões.

“À primeira vista, pode parecer uma soma exorbitante”, disse Demiralp. “Mas é uma ninharia se comparada aos custos de se permitir que a pandemia continue”.

Analistas já apontam que países como Bangladesh, Tanzânia e Peru, por exemplo, só terão uma imunidade superior a 90% da população a partir de 2024.

“Enquanto o vírus prosperar, cadeias de abastecimento globais ficarão interrompidas e o comércio internacional sofrerá as consequências”, conclui a pesquisa. Além do caos social e econômico, os líderes de nações mais ricas verão prejudicadas importantes fontes de recursos no exterior.

“Comprar vacinas para todos não é um ato de generosidade, mas um investimento essencial para os governos que quiserem reviver suas economias domésticas“, disse John Denton, secretário-geral da Câmara de Comércio Internacional.

Fonte: A Referência Internacional

Comentários

- Publicidade -

Últimas Notícias

- Publicidade -

Continue Lendo