Eleitas: Mulheres na Política

Estudo e série do Instituto Update mostram como mulheres inspiradoras estão desafiando o status quo para mudar a democracia no Brasil e na América Latina

“Uma mulher na política, muda a [própria] mulher. Muitas mulheres na política, muda a política”, disse Michelle Bachelet, que comandou o Chile entre 2006 e 2010 e depois entre 2014 e 2018, quando se tornou a primeira encarregada da ONU Mulheres, agência das Nações Unidas para a Igualdade de Gênero.

A frase de Michelle inspira questões fundamentais do nosso tempo. O que acontece na política quando mais mulheres são eleitas? O que muda quando as mulheres mudam o poder? 

Hoje, no entanto, apenas 24% dos espaços de tomada de decisão nos parlamentos do mundo são ocupados por mulheres – e o Brasil está ainda abaixo dessa média, com 15%. 

A partir desses dados e perguntas, o Instituto Update idealizou Eleitas: Mulheres na Política. Com apoio da Fundação Tide Setubal, da Open Society Foundations, da OAK Foundation, da Ford Foundation, da Luminate e da BMW Foundation, 52 pessoas – 48 mulheres e quatro homens – construíram um estudo inédito e uma série de três episódios realizada em parceria com o Quebrando o Tabu, a Maria Farinha Filmes e a Spray Content.

Ao longo de mais de um ano de pesquisas, entrevistas, viagens de campo e um mapeamento de cerca de 600 nomes, a equipe de Eleitas: Mulheres na Política mergulhou de cabeça, alma e coração nas histórias de grandes mulheres – líderes inovadoras, inspiradoras e corajosas que estão desafiando o status quo para fortalecer a democracia e criar um futuro melhor por meio de uma nova forma de exercício do poder. 

Como fontes primárias, foram ouvidas 96 políticas eleitas no Brasil e em outros cinco países (Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia e México), além de 11 especialistas ou representantes de movimentos da sociedade civil. Unidas pela consciência de gênero e a convicção de que podem transformar a sociedade, mulheres de diferentes campos políticos, linhas ideológicas, territórios e etnias como as deputadas brasileiras Érica Malunguinho, Marina Helou e Priscila Krause, a senadora mexicana Kenia Lopez e as prefeitas Raquel Lyra (de Caruaru, Pernambuco) e Claudia Lopez (de Bogotá, Colômbia) falaram de suas trajetórias, práticas, desafios, visões e sonhos.

Fonte: UPDATE

Deixe uma resposta