- Publicidade -
16.8 C
Brasília

Luís Roberto Barroso ministro do supremo diz que as “ditaduras vêm com intolerância, violência contra os adversários e falta de liberdade”

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Luís Roberto Barroso, que também é presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), escreveu um texto em defesa da democracia nesta quarta-feira (31), dia em que o golpe militar completa 57 anos. Barroso disse que “ditaduras vêm com intolerância, violência contra os adversário e falta de liberdade”.

Barroso começou seu texto, publicado no Twitter, endereçando a mensagem para “as novas gerações”. Nas palavras do ministro, só afirma que não houve ditadura no Brasil quem não viu “um adversário do regime que tenha sido torturado, um professor que tenha sido cassado ou um jornalista censurado”.

O ministro lembrou também que não havia eleições livres. Ele afirmou que o atual período democrático, iniciado após a queda da ditadura, representou maior progresso social para o país.

“As regras eleitorais eram manipuladas. Ditaduras vêm com intolerância, violência contra os adversários e falta de liberdade. Apesar da crise dos últimos anos, o período democrático trouxe muito mais progresso social que a ditadura, com o maior aumento de IDH [Índice de Desenvolvimento Humano] da América Latina”, continuou Barroso.
O ministro citou exemplos de como funcionava a censura e lembrou de obras de arte que foram proibidas pelo regime.

“Os jornais eram publicados com páginas em branco ou poemas. Os compositores tinham que submeter previamente suas músicas ao departamento de censura. A novela Roque Santeiro foi proibida e o Ballet Bolshoi não pôde se apresentar no Brasil porque era propaganda comunista”, relembrou Barroso.

Comentários

- Publicidade -

Últimas Notícias

- Publicidade -

Continue Lendo